Venus-tidade

Eu sabia que aconteceria. Tudo estava escrito nas entrelinhas da minha vida. Havia uma sugestão robusta sobre o desabrochar das sementes semeadas em mim e eu tinha certeza que, apesar das cores vívidas, de mim também nasceriam espinhos bem afiados capazes de fazer grandes estragos em qualquer um que se aproximasse. Acontece que o dia … “Venus-tidade”

Read More

Colo-rir da vida

O outono foi embora.  O inverno já chegou. As lágrimas já secaram e o sofrimento esfriou.  Aqui dentro de mim o amor resolveu ensolarar  e o meu coração esquenta a cada pulsar. As estações sempre foram minha metáfora preferida, porque por mais que elas mudem, não são passageiras. Sabemos que o ciclo sempre se repetirá … “Colo-rir da vida”

Read More

Oito deitado

Tudo começou com uma fração pra mudar um resultado indesejado. Foi assim… Eu perguntei “credes no amor?”. Ele respondeu “sou ateu”. Me disseram na época da escola que quando tinha letras iguais em cima e embaixo de uma fração era só cortar para simplificar. Então fiz um cálculo fajuto fracionando a resposta errada que ele … “Oito deitado”

Read More

dando ré na melodia da vida

Quando eu era criança sonhava em ter a liberdade dos adultos. Naquela época acreditava que a verdadeira felicidade tinha a ver com idade. Felic-idade. Acreditava que conforme o tempo passava as pessoas iam ficando mais felizes. Ser feliz tinha a ver com quanto tempo você estava vivo. Quando eu era criança minha felicidade era brincar … “dando ré na melodia da vida”

Read More

linhas bambas

Certa vez um moço caucasiano, todo parnasiano, chamado Cassiano se apaixonou por mim. Não é falta de modéstia, se apaixonou mesmo. “O que eu tenho que fazer pra te conquistar?” Gritou ao pé da minha janela se achando o Romeu abaixo do balcão de Julieta. Pensei  em não responder e deixar ele gritando lá, sozinho, … “linhas bambas”

Read More

A maré, amar é

Não sou mais apaixonada por você. Acabou, assim, como uma chama que se apaga. Letras foram apagadas e o que restou foi um amor feito de lembranças queimadas e idealizações trucidadas que precisaram morrer pra realidade nascer. Não sou mais apaixonada por você. Apaixonada. Nada. Nadando. Aquele amar inquieto e cheio de ondas agora não … “A maré, amar é”

Read More

Bebendo a morte de canudinho

Lembro daquele copo laranja que eu ganhei de presente no dia do meu aniversário sendo preenchido com gargalhadas e vozes sem sentido. Aquele líquido alcoólico sabor limão ia subindo pelo canudo e todas as minhas histerias contidas iam sendo derramadas sobre você que ria e me afastava implorando que eu tomasse juízo. Mas eu que … “Bebendo a morte de canudinho”

Read More