A maldição de Sísifo

 

Toca o despertador,

lava e enxuga o rosto;

banha-se, veste-se, e sai:

uma rocha morro acima.

 

Sai, corre, pega o ônibus.

Trabalha, come, trabalha…

O ônibus o devolve:

uma rocha ainda sobe.

 

Chega, come, mal descansa.

Dorme, dorme, ó pobre Sísifo.

Logo há de se erguer o sol

e ainda antes, cair tua rocha…

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *