Quarto

Quis-se uma linguagem ser dor…

Pois falharam: a matemática dói.

 

O um, refém eterno de sua unidade

porque nada é mais solitário que ser ímpar;

o dois… ah, este padece de um mal pior:

quer ser um.

Aceitamos que dois podem (devem?) ser dois um, é claro,

ou não seriam dois, mas

pela sua condição de dois

o um é impossível.

Pode-se sempre somar mais um, como se sabe,

porém o três e o um partilham de uma história complicada.

É melhor deixar que se entenda(m) sozinho(s).

 

Um

Dois

Três

Mas, Timeu, onde está o quarto?

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *